a comida sem tempero e a alegria

olho no relógio. são 23h51. minhas amigas acabam de ir embora.
inventei um jantar para celebrar que 2016 está chegando ao fim. é sempre importante ter motivos para celebrar, e usar isso como desculpa para encontrar os amigos, comer, dar risada. conversar, compartilhar. 
nunca dá tempo de falar tudo o que queremos. tampouco de completar as frases que começamos. somos amigas há muitos anos. amigas como dá pra ser quando temos filhos e moramos numa cidade muito grande e temos de trabalhar e algumas de nós têm marido. mas o tempo faz as amizades serem sólidas, fortes e alegres.
o jantar tinha de ser leve. uma de nós tem restrições alimentares, por conta de um tratamento. verduras, legumes, raízes. tudo orgânico. isso era tudo o que eu sabia.
então preparei o jantar mais frugal da minha vida. radicchio + abobrinha e cenouras cruas em tiras + bolinhos de inhame com cebolinha grelhados com óleo de coco. havia chutneys maravilhosos, um pão integral caseiro, e eu coloquei na mesa um pão italiano com calabresa que eu comprei hoje pras crianças comerem no fim de semana. minhas amigas trouxeram ainda frutas cruas e frutas cozidas. e para beber, tínhamos vinho e água aromatizada com limão. 
eu não sabia se isso ia dar certo. vamos ficar satisfeitas? não é estranho comer comida sem nenhum tempero?
não. não é estranho. e sim, ficamos satisfeitas.
uma das lições mais preciosas que aprendi é que olhar para o outro e me colocar no lugar do outro é um exercício valioso. chama-se compaixão. e fiquei com a impressão de que dar conta de oferecer às minhas amigas verduras e legumes e raízes orgânicas e sem tempero era um ato de compaixão e de amor à nossa amiga que está comendo isso. 
gargalhadas. gritos. histórias. risadas. lembranças. 
encontrar amigos é resgatar os nossos sentimentos mais íntimos, acolher esse amor e compartilhar nossa alegria. 
as meninas estavam morrendo de sono. foram embora antes de EU dizer socorro preciso dormir. eu estou mudando e quase não me reconheço. desde que eu tinha 18 anos mando meus amigos embora quando não consigo manter meus olhos abertos. 
mas hoje foi diferente. eu não morri de sono. todas morremos de alegria ao comer uma comida sem tempero, mas com muito gosto. misturamos granola salgada, pimenta calabresa em pó, azeite. chutney, frutas cozidas e cruas. 
eu sinto uma alegria gigantesca e um calor macio e acolhedor. quem tem amigos tem tudo. 
...
mesmo com uma fotógrafa e uma adepta feroz das mídias sociais, não fizemos NENHUMA foto. o coração não precisa de imagens de fora. as de dentro são suficientes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

nunca me senti tão rica

as dores do chute na bunda

Só sendo uma santa