a libertação de estar um ano sem comprar roupas

hoje faz 3 meses e 6 dias que começou o projeto um-ano-sem-comprar-roupas. uau, só falta o tempo de uma gestação! em 9 meses poderei entrar numa loja e comprar um par de sandálias ou um lenço.
só que parece que não.
a ideia de me enfiar nesse projeto criado por mim mesma era muito antiga. mas acho que demorou uns anos - não sei se 5 ou 8 ou mais - para eu criar coragem. um dia acordei e tive certeza de que devia encarar a façanha.
no começo tava morrendo de medo, e fiz posts neste blog, quando tive a ideia de começar a contar os 365 dias sem comprar nenhuma roupa ou acessório. para me comprometer publicamente, e também para digerir o meu choque, publiquei a lista de roupas que estavam no meu armário quando do início do projeto. eu estava perplexa e mui entusiasmada. passado um mês, para a minha surpresa, eu havia sobrevivido e não estava em sofrimento.
minha ideia de escrever uma vez por mês sobre o tema foi pro saco. eu estava me sentindo muito atrasada para cumprir a tarefa de postar um texto a cada 30 dias pelo menos quando me dei conta de que isso era um bobagem - atrasada nada. tudo tem seu ritmo, e diferentemente dos remedinhos da weleda que eu tomo a cada 2 horas faz uma semana para me curar de uma dor de garganta cavalar, meu ritmo de trabalho quando escrevo é instável.
nos últimos dias eu comecei a perceber como o tema roupas começou a ter uma importância ínfima. não que eu fosse uma pessoa que compra roupas que estão na moda nem que eu me divertisse saindo às compras com regularidade. mas sempre gostei de pensar em roupas e comprar uma ou outra peça. e venho me esforçando para me vestir com peças de roupa e não com o que poderia ser um pano de chão. mas isso é outra história.

aos 20 e poucos, começando a usar roupas maiores do que eu


o que acontece quando você SABE que não vai comprar NADA por 365 dias é que você entra e sai de lojas e isso não provoca nenhum desejo ou aversão em você. eu passo em frente a vitrines e não sinto nada diferente.
o projeto de não-compras é pessoal e não afeta a minha pequena família. uma semana atrás, quando meu filho me disse que precisava de camisetas e uma bermuda, eu lembrei do site de uma marca de roupas que tem um projeto incrível de doar pratos de comida a cada peça vendida. o site estava em liquidação, e eu disse pro meu filho dar uma olhada - eu estava fazendo uma pesquisa de iniciativas voltadas ao desenvolvimento sustentável e tinha encontrado o site da reserva com preços bem reduzidos. meu filho encontrou camiseta e bermuda e ainda tomou conhecimento de uma iniciativa surpreendente. o que me poupou de dizer "veja filho como tem gente que faz negócios no mundo de forma ética e generosa e íntegra".
uns dias depois, foi a vez de ir com a minha filha comprar lingerie. vendedoras perguntavam pra mim "e pra você, não quer ver nada?", e eu mordia a língua pra não contar do meu projeto e só dizia "não, não estou precisando de nada, obrigada".
por quê? porque só sem comprar é que me dei conta de que eu não PRECISO comprar nada. o que eu tenho é suficiente - e o mais assustador de tudo é que tenho a impressão de que o que tenho no meu armário será suficiente pelos próximos 5 anos, talvez mais.
sigo chocada. há muitos e muitos anos me considerava uma pessoa dona de um guarda-roupa simples e sóbrio. talvez meu sabático de compras me leve a isso, daqui a uns anos, quando eu tiver usado algumas roupas pelo tempo suficiente até que elas sejam promovidas a paninhos de limpeza. mas serão vários anos. porque há roupas que duram muitos e muitos 365 dias...
e no meio desses dias de ah-meu-deus-que-louco-que-é-ficar-sem-comprar-roupas eu recebo um lindo vídeo do pepe mujica. ele vai fazer 84 anos em maio. e segue vivendo uma vida lúcida e da boca dele saem palavras belíssimas e sábias.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

obrigada, SPTrans, por nos tratar como lixo

dezembro, o mês perfeito para desentulhar a vida da gente

abraçando a oportunidade de ir