"eu não vou chegar"

era sábado. sabia que não devia contar com a calmaria de um fim de semana, porque existem coisas que nunca são calmas em são paulo. uma delas é o trânsito sobre a ponte que me permite cruzar o rio pinheiros para seguir em direção à escola das crianças.
e assim foi. em vez dos 12 minutos que eu poderia levar, para chegar a uma reunião com uma folga de 15 minutos - o mundo ideal para pessoas que não passam bem com atrasos -, demorei 45 minutos. "eu não vou chegar" era o mantra que tomou conta dos meus pensamentos. coloquei boa música, pensava em coisas boas, mas "eu não vou chegar". eu estava furiosa, e nessas horas s-e-m-p-r-e penso em sair correndo da bela e cinza são paulo.
eu cheguei. e para minha surpresa, a reunião, que sempre começa pontualmente, naquela manhã de sábado estava atrasada 15 minutos. alívio. e a raiva foi-se.
mas eu fiquei pensando no não chegar. um dia antes, eu fiquei sentada mais de 2 horas e meia no carro para percorrer os 20km que separam a escola das crianças do escritório. algo aconteceu - e sempre algo acontece aqui em são paulo, mas muitas vezes não chegamos a saber que algo é esse - e a estrada parou. passada 1 hora e 15 minutos, mandei uma mensagem pra avisar que não chegaria à reunião. e assim foi. quando abri a porta do escritório, a reunião tinha acabado de terminar.
depois, passei o fim de semana em casa, sozinha. fazendo tudo devagar. lendo jornal, vendo filme, lavando louça, tudo devagar. e o ar, estranhamente, me faltava.
tem um poeminha do quintana que eu encontrei hoje numa gaveta. eu o conheci pendurado na geladeira da minha amiga que mora no sertão baiano. diz assim:

a vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.
quando se vê, já são seis horas!
quando se vê, já é sexta-feira...
quando se vê, já terminou o ano...
quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
quando se vê, já passaram-se 50 anos!

agora é tarde demais para ser reprovado.
se me fosse dado, um dia, outra oportunidade,
eu nem olhava o relógio.
seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho, a casca dourada e inútil das horas.
desta forma, eu digo: não deixe de fazer algo que goste, devido à falta de tempo, pois a única falta que terá será desse tempo que infelizmente não voltará mais.
 

fim! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

nunca me senti tão rica

as dores do chute na bunda

Só sendo uma santa