bahia roots - parte III

são 13h04, e eu pensei que não ia dar tempo de fazer tudo. o tudo quer dizer meus afazeres até amanhã de manhã, quando viajo a trabalho.
eu estou adorando o voltar das férias. olho pra cara dos meus filhos, felicíssimos, e me dou conta de que a bahia fez bem para todos. estranha essa minha obsessão. mas vou entendendo, agora, por que queria ir tanto pra bahia, e por que estou tão contente com o fim das férias.
hoje é domingo, e faz um calor surreal para o momento. estamos no inverno, e a temperatura máxima prevista é de 29 graus celsius. meus filhos foram pra casa do pai. o joão não via o alessandro desde o fim de junho, o que creio ser o recorde histórico dele sem ver o pai, mas pensando bem não é. já ficamos longe um mês quando o joão nasceu e o pai dele foi pra boston descolar um apartamento pra gente morar, depois passei férias com o joão em porto alegre durante o inverno, depois no verão. e o pai dele foi viajar para fazer um guia de viagem. puta merda. não lembrava das tantas vezes que eu tinha ido viajar - ou ficado em casa - sem marido, quando eu tinha um, eh eh eh.
e então, nas últimas duas horas, eu fui fazendo tudo o que tinha de ser feito e que eu achava que não ia dar tempo. louça lavada, roupas idem, camas arrumadas, e-mails respondidos, entrevistas para amanhã organizadas, bilhetes para a organização doméstica escritos, toneladas de mexericas compradas - o joão voltou das férias na casa dos avós dizendo que quer comer bergamota. não mexericas. ah ah ah.



deu tempo de fazer tudo. e agora me sento para escrever sobre o retorno - mas por que será que eu não escrevo sobre a v-i-a-g-e-m propriamente dita?
pensando bem, das viagens fazem parte não apenas as chegadas, mas também as organizações, as expectativas e os retornos. e em todas as partes da minha viagem, eu fiquei pensando por que estava fazendo tudo isso.
é bom fazer coisas - qualquer coisa - sem esperar por ninguém, sem pedir a opinião de ninguém, sem precisar de dinheiro que não seja o nosso. a vida vai ficando mais e mais divertida quando ninguém tem nada a ver com o que a gente faz, só nós mesmos.
pronto, falei.
fui, voltei, e agora sei que quero ter dias muito, mas muito mais lentos dos que os que eu tenho tido.
e pra terminar, e ainda falando de retornos, meu pequeno herdeiro disse que queria ter os cabelos iguais aos do neymar. sem demonstrar nenhum sinal de pânico, levei o joão ao meu cabeleireiro. sabia que podia confiar - da série existem coisas que o dinheiro não pode comprar. o patrício mostrou ao meu filho fotos do beckham, o joão adorou, e o cara ficou lindo. e muito, mas muito feliz.


joão com sua juba


"nossa, o patrício cortou muito bem", me disse ele

dona lilica aproveitou para dizer pro patrício que queria muito ter franjas curtíssimas. e então lá foi o patrício com suas mãos habilidosas deixar a franja da guria bem, bem curta.

Comentários

  1. Santo Patrício!!!!!!!!!!!! Ficaram lindos! Já pensou de Neymar???? Socorro! Agora entendo um pouco melhor tua fidelidade com este cabelereiro!
    Bj,
    Dani

    ResponderExcluir
  2. Lilica princesa linda de franjinha curta!! Joao um abssurdo um GATO!!! beijao adoro vcs!!! 


    Luli

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

nunca me senti tão rica

as dores do chute na bunda

Só sendo uma santa