quinta-feira, 14 de março de 2013

você tem de me tratar bem, pelo menos

o joão começou a fazer aulas de inglês fora da escola. e lá fui eu atrás do livro. achei e comprei pelo site da livraria cultura. quando olhei pra tela que dizia que minha compra tinha sido finalizada, vejo que o número do meu prédio estava errado. tempos atrás eu fiz uma compra, errei na hora de colocar o número, e assim ficou.
tentei mudar o número, não consegui. o livro chegaria em cinco dias. mas, pela experiência que tenho em compras pela internet - eu compro até batom em site -, chegaria em um dia. o livro não chegou no outro dia, mas um simpático e-mail, sim. começava assim a mensagem: "Sabe o que acabou de sair daqui? Sua encomenda!". e terminiva de forma muito fofa: "Logo, logo ele chegará ao seu destino.". e, antes da assinatura, "Para mais informações, se desejar, ligue para a gente. Tenha um ótimo dia!". babei de alegria.
rapidamente liguei, e consegui falar com um ser humano sem ter de passar por uma gravação sinistra. a pessoa me disse que sim, era simples trocar o número do meu endereço, já que a encomenda era do tipo xyz (não lembro o termo usado). ótimo!
passada uma semana, nada. ligo de novo. outro ser humano. fico sabendo que a tranportadora tentou fazer a entrega, mas  o número não existia. "mas eu liguei e informei o número certo", disse. mas não havia registro disso. "por que não me avisam que tentaram entregar e não conseguiram?" falha do fornecedor, me explica. mas meu livro chegará em uma semana.
passada outra semana, nada. ligo, ninguém atende. ligo muitas vezes, ninguém atende.
no outro dia ligo de manhã cedo - eu não estava de bom humor, mas acredito que a população mundial é mais bem humorada cedo de manhã. dessa vez o ser humano que atende me diz que o número do meu prédio é tal, e esse tal é o número errado! conto pra ele toda essa lenga lenga, e peço que o livro seja entregue até as 15h, antes da aula de inglês do meu filho.
não é possível, diz ele. e pergunta se eu mandei e-mail. o quê???? como assim? eu conversei com pessoas do departamento de pós vendas, que sempre me disseram coisas nas quais acreditei. sinto a minha paciência indo embora para muito longe, e me sinto uma imbecil que pagou uma fortuna num livro que não chegou e nem parece que vai chegar.
explico pro terceiro ser humano com quem falei nessa novela de três semanas que se eles mentem, o problema é deles, e que se o livro não foi enviado, também é problema deles, e que eu adoraria seguir comprando na livraria cultura.
ele pede uns minutos. volta. e diz que me liga.
meia hora depois o erick me liga pra dizer que o livro estará na minha casa antes das 15h.
mas por que demorou tanto? por tive que falar com três pessoas diferentes? por que não cumpriram a promessa de entrega em até cinco dias úteis?
...
o edvandro anuncia: a torneira da cozinham, que pingava, tem de ser trocada. pedreiro experiente, reformou meu banheiro em 15 dias, com todos nós morando no apartamento. portanto, não duvidei. fui até um revendedor deca e comprei, por módicos 400 e alguns reais, outra torneira deca com misturador - o que deve explicar o preço exorbitante.
a torneira é instalada. 100 reais. mas a da água fria é tão dura que quase não consigo fechá-la. tento falar com o edvandro, não consigo, chamo o joel, o encanador que presta serviços pro prédio. ele tira uma borrachinha que estava sobrando. 70 reais.
passa uma semana, e a torneira começa a pingar. o joel vem, e troca o registro da torneira de água quente. 30 reais a mão de obra, 40 reais a peça.
passa uma semana, e um feixe de água sai da torneira. não é possível fechá-la. fecho o registro da cozinha, então ela "só" pinga muito. o joel demora uns dias pra conseguir vir. resolvo entrar em contato com a deca. afinal, a torneira é nova! descubro que por um ano a deca me dá garantia do produto, desde que ninguém tenha mexido nele. oi?
chamo a assistência técnica. o cara troca os DOIS registros da torneira, da água fria e da quente. e me diz que o correto seria eu pagar pelo serviço, porque a assistência só vale se "ninguém" tivesse mexido na torneira. oi?
passa uma semana, a torneira volta a pingar. e o técnico da autorizada volta à minha casa. desta vez com uma geringonça que mede a pressão da água. mais uma vez ele troca os DOIS registros. "agora são originais", me diz, e eu cada vez mais confusa. os outros eram a mesma coisa, diz, mas não era deca. e então ele mede a pressão da água do meu apartamento e vem com o seu veredicto: o problema é a pressão da água. é presico colocar um despressurizador lá onde a água começa a descer para os apartamentos.
ligo pro joel, que pesquisa peças pra colocar na própria torneira. vou numa loja perto de casa para fazer a minha própria pesquisa e compro uma pecinha, que custou pouco mais de um real cada. ligo pra uma amiga arquiteta. e ligo pra deca, pra vir colocar a tal da pecinha.
o dono da assistência técnica me explica que não deve ser colocada a peça. o correto é o despressurizador. estou entrando em desespero, mas disfarço. então o nivaldo me diz que vai conversar com o pessoal da deca.
pouco depois o nivaldo me liga. o pessoal da deca acha estranho o problema ser da pressão. vão levar minha torneira para testes, "a senhora concorda?". sim, eu concordo.
então o nivaldo manda um técnico na minha casa instalar um torneirinha sem marca, vagabunda. só sai água fria, "a senhora não se importa, né?", não, claro que não me importo.
já faz quase duas semanas que vivemos felizes com a torneirinha vagabunda, "da concorrência", como me disse o nivaldo. não sei o que a deca está fazendo com a minha toreirona de 400 reias. liguei pro nivaldo, que me contou que num teste que ele fez a minha torneira vazou. agora falta o veredicto da deca.
eu acho que o mínimo é eles me mandarem uma torneira nova, instalada, garantia por dez anos com mão de obra e peças, um buquê de flores do campo recém colhidas e muito coloridas e uma caixa de vinho tinto de qualidade.
agora por que eles acham que eu ia inventar essa história? por que não trocaram a torneira dois meses atrás, quando tudo começou?
...
a lívia ganhou da fada do dente um par de brincos de ouro. eram os primeiros brincos que não eram "de bebê" que ela ganhava. foram comprados num surto da mãe dela, esta que escreve. numa joalheria que eu não conhecia, dryzun.
uns meses depois, uma joaninha se desprende do brinco. lembro da garantia, pego o envelope na minha gaveta de documentos, e levo tudo até a loja.
"vai demorar", me diz a vendedora. era dezembro, e a fábrica teria férias coletivas em janeiro. tudo bem, penso.
no fim de janeiro ligo, e o brinco não está pronto. uau!, quanta demora. no fim de fevereiro ligo novamente, e sim, o brinco está pronto há muito tempo. mas por que não me ligaram? a senhora me diz que me ligou e deixou recado. oi?
vou buscar o brinco em trajes de corrida. espero uns 5 minutos, andando de um lado pro outro da nada aconchegante loja. aliás, lojas são um saco, mas joalherias são sacos maiores.
de repente aparece uma fulana, me entrega os brinquinhos e me diz "deu R$ 35". oi? desculpa, mas a joia tem garantia de um ano, argumento. ela rebate. a garantia é pro ouro, não pra peça. fico olhando pra ela, imóvel, porque não acredito no nosso diálogo. é evidente que eu não teria levado à loja se soubesse que, além de o brinco ter durado bem menos de um ano, eu teria de pagar pelo conserto!
ela vai falar com um senhorzinho. volta. diz que ele autorizou a não cobrança. até logo.
pelo menos com esta marca não há nenhum problema a resolver: eu jamais entrarei numa loja dryzun novamente.
...
o argumento é o seguinte: eu compro, eu pago, eu espero qualidade. você pode pelo menos me tratar bem? não? ah, que pena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário