as roupas e a alegria



eu tenho medo de um dia acordar e ser uma pessoa irrelevante. uma pessoa que não tem nada pra fazer nem pra dizer, que não vai fazer ninguém nem triste nem feliz.
mas enquanto esse dia que eu temo não chega, eu vou me divertindo - e levando o medo comigo, sem deixá-lo crescer demais.
chamei muitas mulheres para uma sessão vamos-nos-livrar-do-que-não-usamos-mais. eu faço essas sessões na minha casa uma ou duas vezes por ano. é assim: um dia eu pego um pedaço de papel e faço uma lista enorme de amigas conhecidas e tals que poderiam gostar de vir trocar roupas. depois olho no calendário para achar uma data. sem crianças em casa funciona melhor. data escolhida, mando e-mail. todo mundo sempre tem pelo menos uma blusinha, um cinto talvez, que não faz mais diferença dentro do armário.
mas desta vez foi muito divertido ter encontrado um vídeo que fala sobre o assunto - as roupas que temos e por que devemos manter só aquelas que nos trazem alegria. o vídeo fala do livro da marie kondo, a magia da organização, sobre o qual eu, na minha santa ignorância, nunca tinha ouvido - e que é um best seller. ainda não li, mas dei muita risada ontem, quando a enorme mesa da sala da minha casa estava coberta de roupas, e mulheres felizes experimentavam vestidos blusas calças sapatos colares e eu sempre me lembrava da marie kondo e pensava "o que marie kondo diria sobre isso?".
uma amiga acha que dona kondo enriqueceu arrumando armários alheios. não creio. outra amiga, que está lendo o livro - que ela havia comprado para a mãe dela, que acabou esquecendo o presente na casa da filha, oh shit! -, vai me emprestar assim que terminar.
muitas gargalhadas depois, quando todas as amigas já tinham ido embora, fiquei com isso na cabeça: mulheres precisam se encontrar. sem ninguém chamando "mããããe", sem precisar correr pra nenhum lugar. só sentar, tomar chá, dar risada. falamos de trabalho, de roupas, de filhos, de bundas. de comidas, bebidas, saúde, receitas. de engordar e emagrecer, de encontros, de médicos bons e médicos ruins. dos amigos, dos medos, da marie kondo.
amigas são como as flores no vasinho da foto, que eu ganhei ontem. são lindas e coloridas e deixam a vida da gente mais rica, mais delicada, mais bela.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

nunca me senti tão rica

as dores do chute na bunda

Só sendo uma santa