faça disso o seu nirvana

ela conta a história sempre com bom humor, mas com um pouco de incredulidade também. a mãe dela foi fazer faculdade quando já tinha tido as filhas. então levava todas - três - a tiracolo. tinha uma creche na faculdade justamente para essa alunas que eram mães. mas antes de a creche exisitir - e tomara que minha memória esteja me ajudando neste momento -, a nísia levava as meninas pra faculdade e as deixava na lanchonete, enquanto ia assistir à aula.
...
cheguei ao escritório com as duas mãos ocupadas. numa segurava uma mão do joão, noutra segurava uma mão da lívia. com a emprega de férias, arranjei uma substituta que, depois de um dia de trabalho, adoeceu. ela chegou à minha casa e quando fui dar bom dia ela começou a chorar, colocou uma mão sobre o estômago e começou a se retorcer. disse que fosse ao médico e depois que fosse pra casa descansar. "mas você não vai ficar brava comigo?". não, eu não ia ficar brava. nessas horas a gente não fica brava: fica furiosa ou desesperada.
as crianças adoraram. mas eu tinha uma reunião. então experimentei participar de uma reunião com uma criança de 6 anos sentada no meu colo e me fazendo perguntas durante 60% do tempo.
como tudo passa, a reunião acabou. então encontro o joão cruzando o escritório atrás de uma régua. régua em mãos, o guri começa a rastejar pelo chão perto de uns armários, para onde minha filha provavelmente tinha deixado rolar uma bolinha de metal de um joguinho desses que se compra em qualquer freeshop a caminho de nova york ou tóquio. ele não encontrou a bolinha, e eu morri de vergonha de entregar a caixinha do jogo assim, capenga, para o estevam, dono da agência.
para conseguir finalizar poucas tarefas antes de partir, dei um celular para cada filho. e enquanto eu respondia uns e-mails e resolvia umas coisas rápidas, ouvia os barulhos insuportáveis dos enlouquecedores joguinhos que VIERAM nos meus celulares, sem eu nunca ter pedido nem baixado nem comprado.
num ato de coragem e determinação, desliguei meu computador, pedi desculpas aos colegas pelo barulho, peguei nas mãozinhas das crianças e parti.
...
pouco antes da minha partida, o guto olhou pra mim e disse que lembrava das vezes em que foi com a mãe dele, professora, à faculdade. "o ambiente era mais trash", disse ele. tentei respirar com alívio, mas não consegui. é trash levar filhos pro trabalho. mas pelo menos muitos e muitos já fizeram isso!
...
daqui a dois dias o pai dos meus filhos vai voar do rio até são paulo para buscá-los para "as férias com o pai". todo ano é assim. dos 60 dias de férias escolares, eles passam 15 com o pai. mas, surpresa!, este ano eles não querem ir. ponto.
num primeiro momento isso significa que eu vou provar a minha sanidade pra mim mesma em 15 dias. trabalhando, sem empregada, e com dois filhos de férias em casa.
aprendi que a intuição é melhor do que o conhecimento, do que a praticidade, do que o desespero. então não fiz nada ainda. na hora de ter de agir a gente sempre sabe o que fazer.
amanhã iremos ao parque de bicicleta, os três. hoje andamos de bicicleta no pátio do prédio, e as crianças riam e diziam "que legal nós todos juntos", "que legal nossa família andando de bicicleta". eu ouvia e pensava meu deus!, e os quase 20 dias de férias que acabei de tirar com eles na casa dos avós? eles falavam como se eu NUNCA estive estado com eles nos últimos 587 dias!
...
olho pra parede tomada de quadros com fotos da nossa família e respiro feliz. temos vivido uma vida muito plena. nem sempre feliz, mas sempre verdadeira. e isso, me parece, é o que importa. vivemos de verdade.
lágrimas. terei força. como diz a adriana, o peso da carga é o que conseguimos - e temos de - carregar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

nunca me senti tão rica

as dores do chute na bunda

Só sendo uma santa