quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

navegar é preciso

nosso pequeno mas mais do que suficiente porta-malas.

pronto. as 3 biciletas amarradas. estávamos partindo rumo à cananeia.

foi assim:
"estamos pensando em ir pra cananeia por dois dias no carnaval, acampar. topa? custos bem acessíveis. adoraríamos ter vocês três como companhia!!!". era uma mensagem de texto que ela tinha mandado pro meu celular.
consultei minha pequena família. descolamos uma barraca emprestada. comprei dois colchões infláveis, uma lanterna grande e uma máscara de mergulho.
as outras providências eram menores: abastecer carro, calibrar pneus do carro e das três bicicletas, comprar umas frutas e umas cervejas, arrumar uma bolsa com roupas, outra com comidinhas.
adoro viajar para lugares desconhecidos. e então partimos rumo à cananeia. nossos amigos numa camionete, nós no nosso pequeno mas incrível carro. levávamos 3 bicicletas. na camionete, outras 5.
engraçado como viagens pequenas podem parecer enormes. eu tinha de trabalhar depois do carnaval, portanto nossa viagem seria curta. mas fiz coisas que não fazem parte dos meus dias. desliguei o celular, guardei a agenda no porta-luvas do carro por quatro dias (!), dormi numa barraca, comi pouco, andei de lancha.
de volta à cidade cinza, me dei conta de que existem passeios mais roots do que passar uns dias na chapada diamantina com as crianças, numa pousada limpíssima. e me dei conta de que existem coisas mais divertidas do que trabalhar com gente chata, e que a paciência, a compaixão e a tolerância são essenciais.
então hoje, trabalhando muito, respirei fundo muitas e muitas vezes, e senti um alívio ao lembrar que a vida é dura, mas pode ser doce e suave também.



sombra e cerveja gelada. com peixe, camarão, vento fresco e alegria.

isso é que é vista. ou melhor, isso é que é vida.

joão observa as gaivotas - centenas delas, que voavam em danças pelo céu depois de as crianças saírem correndo atrás delas.

o renato arruma o colete do joão. estávamos voltando da ilha do cardoso.

enquanto a lívia desenhava, me deitei e vi uma luz linda pelas janelas da gigantesca barraca da rosana e do renato, onde eu estava 'hospedada'.

a tó me espera, enquanto vou pedalando e patinando na areia. atrás de gente vinham o renato e a beatriz. estávamos quase chegando ao camping.

depois de carregar o carro, eu suava barbaridades. tirei a foto de mim mesma, mas não dá pra ver meu rosto muito, muito molhado.

4 comentários:

  1. Ufa!!!
    Achei que nunca mais teria a sua companhia campista. Teremos outras oportunidades deliciosas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. já achei uma loja que vende produtos para pesca, bem perto de casa, onde há barracas, sacos de dormir, fogareiros, líquidos de citronela. depois é só comprar uma camionete. e o motor do barco, para ir pra amazônia. ah ah ah.

      Excluir
  2. Pelo jeito foi incrível!
    Bjs,
    Dani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, dani, agora vou criar coragem para mais aventuras. tu não te animas?

      Excluir