dia 1 - um ano sem comprar roupas

existem as ideias que precisamos amadurecer, dar um tempo para pensar. e existem as ideias que já vêm prontinhas, que não nos deixam em dúvida. hoje enquanto eu meditava eu tive uma ideia desse segundo tipo. na verdade, eu resgatei uma ideia de uns anos atrás que eu nunca tive coragem de pôr em pratica. e agora me parece que este é o momento correto para fazer a ideia virar uma ação. não estou criando nada, mas estou precisando de um desafio para colocar no lugar o meu consumismo.
éramos 18 mulheres e dois pequenos rapazes, gustavo, de quase 2 anos, e rafael, de pouco mais de 1 ano. num determinado momento, eu fiquei em silêncio e percebi que o barulho feito por nós era quase ensurdecedor. assim é que é quando mulheres se reúnem, principalmente quando estamos celebrando.
eu não lembro de ter feito um swishing - encontro de mulheres para troca de roupas que não usam mais - com tanta gente. talvez já tenha feito. mas costumeiramente somos em menor número. eu ia tirar fotos das comidas e bebidas e roupas e das moças presentes, mas confesso que manter a tranquilidade quando eu sou uma das 18 mulheres que tomam chá ou vinho, beliscam comidinhas e provam blusas calças vestidos sapatos e acessórios e conversam ao mesmo tempo é desafiador. no meu caso, foi impossível. mas eu tirei fotos das sete novas aquisições do meu guarda-roupa.










eu tinha combinado comigo mesma, antes do swishing, que só pegaria camisetas regatas ou calças. ponto. não segui à risca o combinado, apesar de estar feliz da vida com as minhas roupas novas que não custaram nem um real. a alegria desse encontro é grande. como disse uma amiga, "o melhor é ver que algo que não serve ou que você não gosta mais é escolhido por outra pessoa, que fica feliz da vida com a roupa nova".
deve ser da alegria que um swishing traz que eu tive a certeza de que posso agora fazer minha ideia virar realidade. ficar um ano sem comprar nenhuma peça de roupa. começando hoje, dia 10 de dezembro de 2018. e terminando no mesmo dia daqui a um ano.
as regras são as seguintes:

  • não comprar nenhuma peça de roupa até 10/12/2019. exceção para calcinhas, caso sejam menos de seis na gaveta, e sutiãs, caso sejam menos de três
  • caso uma peça única acabe nesse período, por exemplo, meu par de tênis de corrida, poderei comprar outro par de tênis de corrida, desde que o antigo seja doado
  • só poderei ter roupas e sapatos e acessórios novos que sejam dados para mim de presente, doados, trocados ou emprestados
  • produtos de beleza que não são usados diariamente, como maquiagem, poderão ser comprados desde que o produto em uso tenha acabado. por exemplo: caso eu não tenha nenhum esmalte, poderei comprar um vidro. o mesmo para o batom: caso todos os batons acabem e eu não tenha nenhum, poderei comprar um
  • as compras feitas serão anotadas, de forma que ao fim deste ano de exercício de lidar corajosamente com o meu consumismo eu saiba tudo o que foi comprado e o preço pago
  • as doações de roupas que não servem ou que eu não uso mais também serão registradas em uma lista
e se eu tiver uma festa e não tiver roupa ou sapato? em bom português, terei de me virar. pegar emprestado, achar na rua, usar um sapato que eu tenho ou não ir à festa. já comecei a pensar em quantas amigas têm os pés tamanho 37. claro, porque tenho certeza de que, apesar de não ir a casamentos desde o memorável casamento da minha amiga rúbia em ouro preto, quase quatro anos atrás, em 2019 serei convidada para inúmeras festas.
o mais divertido de tudo é dar-se conta das estratégias que a minha amiga sabotagem tem para me fazer mudar de ideia. "sua louca, insana, por que fazer uma bobagem dessas?" "melhor pensar uns dias antes de publicar este texto no seu blog..." num ato de coragem, vou aperar o botão laranja deste blog onde se lê "publicar". mensagens de apoio são mais bem-vindas do que nunca. oh shit!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

obrigada, SPTrans, por nos tratar como lixo

dezembro, o mês perfeito para desentulhar a vida da gente

abraçando a oportunidade de ir